IVA – declaração periódica de julho e respetivo pagamento

Despacho n.º 330_2020_XXII do SEAF

Determino, sem quaisquer acréscimos ou penalidades e à semelhança do procedimento de
entrega de declarações periódicas de IVA e respetivo pagamento previsto nos meus Despachos
n. 2 141/2020-XXII, n.2 153/2020-XXII e n.2 229/2020-XXll, que:

i. As declarações periódicas de IVA a entregar no prazo legal previsto no n.º 1 do
artigo 41.º do CIVA, referentes ao período de julho do regime mensal, possam
ser submetidas até 20 de setembro;

ii. A entrega do imposto exigível que resulte das declarações periódicas a que se
refere a alínea anterior possa ser efetuada até dia 25 de setembro.

Limitação extraordinária dos Pagamentos por Conta em IRC

Instrução de  Servico AT 20010_2020

Na sequência da publicação das Leis n.º 27.º-A/2020, de 24 de julho, e n.º 29/2020, de 31 de julho, foram levantadas várias dúvidas relativas à limitação extraordinária dos pagamentos por conta em IRC respeitantes ao período de tributação de 2020. Obtidos os respetivos esclarecimentos junto do Gabinete do Senhor Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Fiscais, divulgam-se os mesmos tendo em vista a uniformidade de procedimentos.

IFRS 16 (Regulamento UE 2017/1986 da Comissão, de 31 de outubro)

Circular n.º 7_2020

A International Accounting Standards Board (IASB) procedeu à publicação da IFRS 16 (Regulamento UE 2017/1986 da Comissão, de 31 de outubro) e à revogação da IAS 17, com efeitos a 1 de janeiro de 2019.
O tratamento contabilístico previsto na IFRS 16 é aplicado somente pelas empresas nacionais que, por imposição legal ou por opção, estejam a aplicar as normas internacionais de contabilidade.

Código de barras bidimensional (código QR) e do código único do documento (ATCUD)

Portaria n.º 195_2020, de 13 de agosto

Regulamenta os requisitos de criação do código de barras bidimensional (código QR) e do código único do documento (ATCUD), a que se refere o n.º 3 do artigo 7.º do Decreto–Lei n.º 28/2019, de 15 de fevereiro.

Obrigação de comunicação à Autoridade Tributária e Aduaneira de determinados mecanismos internos ou transfronteiriços

Lei n.º 26_2020, de 21 de julho

Estabelece a obrigação de comunicação à Autoridade Tributária e Aduaneira de determinados mecanismos internos ou transfronteiriços com relevância fiscal, transpondo a Diretiva (UE) 2018/822 do Conselho, de 25 de maio de 2018, e revogando o Decreto-Lei n.º 29/2008, de 25 de fevereiro.

Doação, com reserva de usufruto vitalício, de quota numa sociedade por quotas, detentora de imóveis, entre mãe e filho

Informação Vinculativa 17661

Doação, com reserva de usufruto vitalício, de quota numa sociedade por quotas, detentora de imóveis, entre mãe e filho.

CONCLUSÃO
A doação, com reserva de usufruto vitalício, de uma quota representativa do capital social de uma sociedade, em que o donatário ficará a dispor de, pelo menos, 75% desse capital, não está sujeita a IMT, porquanto consubstancia uma transmissão gratuita, estando, assim, sujeita a Imposto do Selo (verba
1.2), nos termos da al. c) do n.º 3 do art.º 1.º do CIS, ainda que dele isenta pelo facto de o beneficiário da doação ser descendente da doadora (al. e) do art.º 6.º do CIS).

Transmissão gratuita (Legado) de imóvel situado fora do território nacional

Informação Vinculativa 17363

Transmissão gratuita (Legado) de imóvel situado fora do território nacional.

CONCLUSÃO
Por não se verificar o requisito da incidência territorial, conclui-se que o legado de um imóvel, por morte, localizado no Estado da Flórida – Estados Unidos da América, não está sujeita a IS, nem a qualquer obrigação declarativa no âmbito do Código de Imposto do Selo.

Informação relativa aos estabelecimentos

Informação relativa aos Estabelecimentos

Considerando as dificuldades, bem como as redundâncias no que respeita à comunicação de informações relativamente aos estabelecimentos ao abrigo de diversos instrumentos legais, identificadas pela AT e pelos sujeitos passivos, o Despacho n.º 239/2020-XXII de S. Exa. o SE​AF vem determinar que a obrigação de comunicação dos estabelecimentos a que se refere o artigo 34º do Decreto-Lei n.º 28/2019,  fique suspensa até à consolidação do quadro jurídico existente sobre a matéria.​

Seguros de vida e de doença pagos a um sócio gerente

Informação Vinculativa  17196

Seguros de vida e de doença pagos a um sócio gerente.

Entende-se que terá caráter geral se for atribuído a todos os trabalhadores em condições idênticas, não podendo a sua atribuição estar sujeita a outras condições adicionais impostas pela entidade empregadora. Ora, no caso apresentado, os benefícios só são dados ao único sócio gerente que aufere uma remuneração.
Nestas circunstâncias, os encargos em questão poderão ser considerados gastos, nos termos do artigo 23.º, e não pelo artigo 43.º, ambos do CIRC, mas desde que os rendimentos sejam tributados como rendimentos do trabalho dependente, na esfera do sócio gerente.
E, a tributação na esfera do beneficiário dos seguros é obrigatória face às normas do CIRS, não sendo admissível que o mesmo possa ficar desobrigado da tributação em IRS.

Regime Especial de Bens em Segunda Mão, Objetos de Arte

Informação Vinculativa n.º 16454

Regime Especial de Bens em Segunda Mão, Objetos de Arte …. – Sujeito passivo revendedor, considerado como tal, nos termos da alínea c) do artigo 2.º do DL n.º 199/96, que vende objetos de arte elencados no ponto A do anexo do respetivo regime, são tributadas à taxa reduzida de 6.

IVA – Taxas reabilitação urbana

Informação Vinculativa n.º  17780

Taxas – Reabilitação urbana – Obras executadas em imóvel habitacional com implantação de frações destinadas ao comércio.

Se as obras em causa foram executadas através da modalidade de empreitada, contratada entre o empreiteiro e o dono da obra (neste caso o condomínio), pode ser aplicada a taxa reduzida de IVA, atento o referido no ponto 7 da presente informação, mas apenas às obras executadas nas áreas destinadas a habitação. Relativamente às obras executadas em áreas comercias não pode ser aplicada a taxa reduzida, mas sim a taxa normal (23%).

Emissão e consulta de Certidão de Dispensa de Apresentação de Declaração Modelo 3 de IRS

Foi disponibilizada na semana passada no Portal das Finanças a Aplicação que permite a emissão e consulta de Certidão de Dispensa de Apresentação de Declaração Modelo 3 de IRS, nos termos do n.º 5 do artigo 58.º do Código do IRS, podendo o contribuinte aceder à aplicação em:

Cidadãos > Serviços > Dispensa Entrega IRS > Entregar Pedido

Cidadãos > Serviços > Dispensa Entrega IRS > Consultar Pedido

 

Fatura – A fatura deve ser emitida ao destinatário dos serviços prestados

Informação Vinculativa n.º 16978

Fatura – A fatura deve ser emitida ao destinatário dos serviços prestados, a contraparte da relação jurídico-tributária, independentemente de quem efetuou o pagamento, assim a fatura deve ser emitida em nome e com o número de identificação fiscal de quem contratou ou solicitou os serviços.

IVA – Inversão do sujeito passivo

Informação Vinculativa n.º 16781

Inversão do sujeito passivo – Cofragens e aluguer de estruturas metálicas, indispensáveis à realização de obras civis ou públicas, ficam abrangidas pela inversão do sujeito passivo, desde que incluídas num contrato de empreitada ou subempreitada de construção civil – O aluguer do equipamento, a assistência técnica ou manutenção de equipamentos que já se encontrem em funcionamento, não está abrangido pela inversão do sujeito passivo.