Apoio às empresas industrias exportadoras e de montagem de eventos

Portaria n.º 19_2021, de 22 de janeiro

Regulamenta o mecanismo de conversão previsto nos n.os 2 e 3 da Resolução do Conselho de Ministros n.º 101/2020, de 20 de novembro, e no n.º 3 da Resolução do Conselho de Ministros n.º 114/2020, de 30 de dezembro («Mecanismo de conversão»).

A pandemia da doença COVID -19, para além de representar uma grave emergência de saúde
pública a que foi necessário dar resposta no plano sanitário, resultou numa série de consequências de ordem económica e social, que igualmente têm motivado a adoção de um vasto leque de
medidas excecionais. Assim, desde março de 2020 ano que o Governo tem vindo a adotar medidas que, em termos gerais, respeitam, por um lado, ao combate à pandemia — numa perspetiva
epidemiológica — e, por outro, ao apoio social e económico às famílias e às empresas.
Das medidas referidas, destaca -se a Resolução do Conselho de Ministros n.º 41/2020, de
6 de junho, que aprovou o Programa de Estabilização Económica e Social, nos termos da qual, no
que diz respeito às empresas, foram instituídos diversos mecanismos de apoio à liquidez, como a
extensão da moratória ao crédito bancário, o lançamento de novas linhas de crédito com garantia
pública ou a possibilidade de ajustamento dos pagamentos por conta do imposto sobre o rendimento
das pessoas coletivas até ao final do ano, medidas que foram entretanto aprovadas mediante diversos atos legislativos, regulamentares e outros instrumentos.
Todavia, a evolução das situações epidemiológica e económica justificam que sejam feitas,
com regularidade, alterações e ajustes aos vários diplomas legais que têm vindo a ser aprovados
desde março de 2020, de forma a manter estes atos devidamente atualizados e a assegurar a
sua pertinência, bem como que sejam criados novos atos e medidas, no âmbito da atribuição de
apoios sociais e económicos, que se adequem especificamente à realidade que em cada momento
se verifica.
Por outro lado, a Comissão Europeia (CE) lançou a iniciativa CRII (Coronavirus Response
Investment Initiative) que permitiu, através da modificação do Regulamento (UE) n.º 1301/2013,
de 17 de dezembro, alterado pelo Regulamento (UE) 2020/460, de 30 de março, a possibilidade
do FEDER apoiar o financiamento de fundo de maneio das pequenas e médias empresas, como
medida temporária para dar uma resposta eficaz à crise de saúde pública.
Paralelamente, a 13 de outubro de 2020, a CE emitiu a comunicação C/2020/7127 — JO C 3401,
de 13 de outubro de 2020, em matéria de auxílios de Estado em contexto COVID, alargando o
âmbito do «Quadro temporário relativo a medidas de auxílio estatal em apoio da economia no atual
contexto do surto de COVID -19», na qual se continuam a prever medidas de acesso à liquidez, bem
como o apoio a empresas que enfrentam dificuldades financeiras devido ao surto de COVID -19 ou
agravadas pelo mesmo.
Considerando as atuais circunstâncias socioeconómicas e a flexibilidade e desejável adaptabilidade das medidas às necessidades que se verificam a cada momento, o Governo continua a
entender como prioritário, no contexto atual, o apoio à manutenção do emprego, designadamente
através da recente reformulação ao apoio extraordinário à retoma progressiva operada pelo Decreto-
-Lei n.º 101 -A/2020, de 27 de novembro, que permite às empresas que beneficiaram do incentivo
extraordinário à normalização da atividade empresarial aceder àquele apoio sem terem de proceder
à devolução dos apoios entretanto recebidos.
Importa ainda reforçar os mecanismos de apoio à situação de tesouraria das empresas, em
particular as micro, pequenas e médias empresas, que atuam nos setores mais afetados pelas
medidas de restrição à atividade social e económica, que nos últimos meses foram acentuadas.
Nesse sentido, o Governo aprovou, pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 101/2020,
de 20 de novembro, um conjunto de medidas destinadas às empresas no âmbito da pandemia da
doença COVID -19, entre as quais o lançamento, operacionalização e monitorização de linha de
crédito dirigida a empresas do setor industrial, independentemente da respetiva dimensão, que
N.º 15 22 de janeiro de 2021 Pág. 26
Diário da República, 1.ª série
tenham uma elevada percentagem do volume de negócios proveniente de exportações de bens, no
montante global de € 750 000 000,00 e o lançamento, operacionalização e monitorização de linha
de crédito dirigida a micro, pequenas, médias empresas e Mid Cap que desenvolvem o essencial
da sua atividade no fornecimento de serviços e bens para apoio à realização de eventos culturais,
festivos, desportivos ou corporativos, no montante global de € 50 000 000,00, ambas com a possibilidade de 20 % do crédito concedido ser convertido em crédito a fundo perdido, em caso de
manutenção de postos de trabalho, a dinamizar pelo Banco Português de Fomento, S. A. (BPF).
Através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 114/2020, de 30 de dezembro, a linha de
crédito aprovada pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 101/2020, de 20 de novembro, dirigida a empresas do setor industrial exportador foi alargada, passando a incluir empresas do setor
turístico que tenham uma elevada percentagem do volume de negócios proveniente de exportações
de bens e serviços, bem como um aumento de dotação para € 1 050 000 000,00.
A presente Portaria estabelece, assim, o mecanismo de conversão de até 20 % das referidas
linhas de crédito em crédito a fundo perdido.
Nos termos da alínea c) do n.º 2 e do n.º 3 do artigo 10.º do Decreto -Lei n.º 137/2014, de
12 de setembro, as alterações que aqui se preconizam foram aprovadas pela Deliberação n.º 02/2021
da Comissão Interministerial de Coordenação do Acordo de Parceria — CIC Portugal 2020, de
19 de janeiro de 2021, carecendo de ser aprovadas por portaria.